Do mar Morto ao Brasil: história das publicações sobre os manuscritos de Qumran, dos inícios a 2003

Autores

Palavras-chave:

Qumran, manuscritos, Mar Morto

Resumo

Propõe-se, neste artigo, uma apresentação panorâmica das publicações sobre os Manuscritos do Mar Morto no Brasil, dos inícios até o ano de 2003. Tendo como referência os períodos das descobertas, de 1947 a 1999, constata-se que, no Brasil, ao longo destes anos, os conhecimentos giraram em torno a notícias, traduções e escassos estudos. Nos três anos seguintes, entre 2000 e 2003, intensificam-se as notícias em jornais e revistas, publicam-se alguns estudos especializados e são produzidas as primeiras dissertações e teses. O artigo se baseia em estudos da época, e manifesta a homenagem de gratidão ao saudoso Professor Archibald Mulford Hoodruff.

Biografia do Autor

Valmor da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil

Doutor em Ciências da Religião (Universidade Metodista de São Paulo), Mestre em Exegese Bíblica (Pontifício Instituto Bíblico) e Mestre em Teologia Bíblica (Pontificia Universidade Gregoriana, Roma). Professor na Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil.

Referências

ADRIANO FILHO, José. Melquisedec, um redentor celestial e juiz escatológico: um estudo de 11QMelquisedec (11Q13). In: NOGUEIRA, Paulo Augusto de Souza (Editor). Apocalíptica e as origens cristãs. Estudos de Religião, São Bernardo do Campo, v. 14, n. 19, p. 45-64, 2000.

______. Peregrinos neste mundo: simbologia religiosa na Epístola aos Hebreus. São Bernardo do Campo: Metodista; São Paulo: Loyola, 2001.

ARNT, Ricardo. As primeiras palavras de Deus. Superinteressante, São Paulo, Ano 11, n. 4, p. 51-57, abril, 1997.

CARVALHO, Adriana. Espião do passado. Veja, São Paulo, Ano 35, n. 15, p. 11-15, 17 de abril, 2002.

EISENMAN, Robert e WISE, Michael. A descoberta dos manuscritos do Mar Morto: primeira tradução e interpretação completa de cinquenta documentos-chave guardados há mais de 35 anos (Tradução do inglês, de 1992, por Sieni Maria Campos). Rio de Janeiro: Ediouro, 1994.

FRANK, Harry Thomas. A descoberta dos manuscritos. In: SHANKS, Hershel (Organizador). Para compreender os manuscritos do Mar Morto (Tradução do inglês, de 1992, por Laura Rumchinsky). Rio de Janeiro: Imago, 1993, p. 3-20.

GARCÍA MARTÍNEZ, Florentino. Textos de Qumran (Tradução do espanhol, de 1992, por Valmor da Silva). Petrópolis: Vozes, 1995.

KENSKI, Rafael e TEIXEIRA, Duda. A doutrina do deserto. Superinteressante, São Paulo, Ano 14, n. 8, p. 56-62, agosto, 2000.

NAVARRO, Roberto. Essênios, elo com Jesus está perdido. Galileu, Rio de Janeiro, Ano 11, n. 128, p. 28-34, março, 2002.

NOGUEIRA, Paulo Augusto de Souza (Editor). Apocalíptica e as origens cristãs. Estudos de Religião, São Bernardo do Campo, v. 14, n. 19, 2000.

______. Culto extático no Hino de Autoexaltação (4Q471b, 4Q427, 4Q491c): implicações para a compreensão de um fenômeno cristão primitivo. In: HICHET, Etienne Alfred (Editor). Estudos de Religião, São Bernardo do Campo, v. 16, n. 22, p. 72-84, 2002.

______. Experiência religiosa e crítica social no cristianismo primitivo. São Paulo: Paulinas, 2003.

______. Êxtase visionário e culto no Apocalipse de João: uma análise de Ap 4 e 5 em comparação com viagens celestiais da apocalíptica. Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana, Petrópolis, n. 34, p. 45-68, 1999.

ORRÚ, Gervásio F. Os manuscritos de Qumran e o Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1993.

POUILLY, Jean. Qumrã: Textos escolhidos (Tradução do francês, de 1987, por Benôni Lemos). São Paulo: Paulinas, 1992.

RABUSKE, Irineu J. Qumran e o Novo Testamento. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 25, n. 108, p. 305-316, 1995.

SCHIAVO, Luigi. A batalha escatológica na fonte dos ditos de Jesus. A derrota de satanás na narrativa da tentação (Q 4,1-13). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), 2002. Publicado como: Anjos e Messias: messianismos judaicos e origem da cristologia. São Paulo: Paulinas, 2006.

SHANKS, Hershel. Para compreender os manuscritos do Mar Morto (Tradução do inglês, de 1992, por Laura Rumchinsky). Rio de Janeiro: Imago, 1993.

SILVA, Airton José da. Os essênios: a racionalização da solidariedade. In: http://airtonjo. com/site1/essenios.htm – Acesso em 2003 e em 16/10/2015.

SMARGIASSE, Marcelo Eduardo Cunha. Os cânticos do sacrifício sabático: Merkavah e liturgia angelical em 4Q405. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2003 (Inédita).

STELLA, Jorge Bertolaso. As descobertas dos papiros do Mar Morto. São Paulo: Livraria Independente Editora, 1960.

VERMÈS. Geza. Os manuscritos do Mar Morto (Tradução do inglês, de 1987, por Júlia Bárány Bartolomei e Maria Helena de Oliveira Tricca). São Paulo: Mercuryo, 1992.

WOODRUFF, Archibald Mulford. Qumran. In: Bibliografia Bíblica Latino-Americana – 1993. Petrópolis: Vozes; São Bernardo do Campo: Ciências da Religião, 1995. Vol. 6, p. 65-74.

Downloads

Publicado

07/10/2021

Como Citar

SILVA, V. da. Do mar Morto ao Brasil: história das publicações sobre os manuscritos de Qumran, dos inícios a 2003. Estudos Bíblicos, São Paulo, v. 34, n. 136, p. 406–416, 2021. Disponível em: https://revista.abib.org.br/EB/article/view/86. Acesso em: 30 nov. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>