Governo, nação e profecia: atormentadores ou promotores “do beijo”?

Autores

Palavras-chave:

governo, conflito, história, profecia, justiça

Resumo

Este artigo apresenta as relações de conflito entre governantes e governados, profetas e profecia a partir do estudo das relações entre filisteus e israelitas no Antigo Testamento. Convida os leitores do texto bíblico a atuarem como arautos, não permitindo que a nossa omissão cale a profecia, e não concordando com partidarismos injustos e opressores. Instiga à sensatez e à coerência bíblica na cidadania.

Biografia do Autor

Lília Dias Marianno, Eagle Gestão de Ensino, Brasil

Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) e Mestre em Teologia Bíblica pela Faculdade Batista do Rio de Janeiro (FABAT/STBSB).

Referências

DONNER, Herbert. História de Israel e dos Povos Vizinhos. Trad. Cláudio Molz e Hans Trein. São Leopoldo/ Petrópolis: Sinodal/ Vozes. 2. ed. 2000, vol. 1 e 2.

GOTTWALD, Norman K. Introdução Socioliterária à Bíblia Hebraica. Trad. Anacleto Alvarez. São Paulo: Paulus, 1988.

MARIANNO, Lília. A ameaça que vem de dentro: Um estudo sobre as relações entre judaítas e estrangeiros no pós-exílio em perspectiva de gênero [Dissertação de Mestrado] São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2007.

OTTO, Rudolf. O Sagrado. Um estudo do elemento não racional na ideia do divino e a sua relação com o racional. São Paulo: Imprensa Metodista, 1985.

Downloads

Publicado

13/10/2021

Como Citar

MARIANNO, L. D. . Governo, nação e profecia: atormentadores ou promotores “do beijo”?. Estudos Bíblicos, São Paulo, v. 32, n. 125, p. 9–21, 2021. Disponível em: https://revista.abib.org.br/EB/article/view/193. Acesso em: 29 jan. 2023.