Jeremias e as refugiadas no Egito: uma desconstrução de Jr 44

Autores

  • Humberto Maiztegui Gonçalves Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, Brasil

Palavras-chave:

Bíblia, exegese, Jeremias, desconstrução, mulheres, refugiados

Resumo

O presente artigo apresenta um estudo exegético do capítulo 44 do Livro do Profeta Jeremias, à luz da realidade das pessoas refugiadas, traçando um paralelo entre o diálogo/debate deste profeta com a comunidade e, em especial, com as mulheres judaítas refugiadas no Egito no século VI a.C. Neste estudo se analisam as vozes participantes no processo tentando descobrir qual é a situação sofrida pelas pessoas refugiadas e quais os desafios que enfrentam diante de uma série de acusações e ameaças apresentadas na fala do profeta. Busca-se como chave de desconstrução a presença de Baruc como redator do texto e sua intencionalidade implícita como observador respeitoso das outras partes envolvidas. A desconstrução permite ouvir de uma forma mais qualificada a voz das mulheres refugiadas e, através delas, entender as dificuldades que temos de ouvir a voz de pessoas refugiadas, especialmente daquelas cujas características estão mais distantes do senso comum cultural, étnico, religioso ou político da comunidade onde estas pessoas se encontram. Tomamos, também, do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, do caderno editado pelo Conselho Nacional de Serviço Social sobre Xenofobia, e do exemplo do trabalho ecumênico realizado pelo Centro de Apoio e Pastoral do Migrante (CAMI, SP), elementos que nos ajudem a entender a situação e desafios atuais na relação com as pessoas refugiadas.

Biografia do Autor

Humberto Maiztegui Gonçalves, Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, Brasil

Bispo anglicano. Doutor em Teologia (Escola Superior de Teologia), Mestre em Teologia (Escola Superior de Teologia). Professor na Escola Superior de Teologia e Espirituallidade Franciscana.

Referências

Caderno 5. Brasília: CNFESS, 2016. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CFESS-Caderno05-Xenofobia-Site.pdf. Acesso em: 22/02/2016.

CERESKO, Antony. Introdução ao Antigo Testamento, numa perspectiva libertadora. São Paulo: Paulus, 1996.

COSTA, José Carlos de Lima. A influência do profetismo hebraico na práxis de Jesus à luz dos evangelhos sinóticos (Dissertação). Goiânia – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Departamento de Filosofia e Teologia, 2012. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/bitstream/tede/843/1/JOSE%20CARLOS%20DE%20LIMA%20COSTA.pdf. Acesso: 22/02/2017.

HARRISON, R.K. Jeremias e Lamentações, introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1973.

ROESE, Anete. O silenciamento das deusas na tradição interpretativa cristã, uma hermenêutica feminista. In: Revista Alegria, p. 177-191. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/alegria/article/view/1557/1654. Acesso em: 6/2/2017.

SANTOS, Cleusa. Série: assistente social no combate ao preconceito (xenofobia). SCHMIDT, Werner. Introdução ao Antigo Testamento. São Leopoldo: Sinodal, 1994.

Downloads

Publicado

09/10/2021

Como Citar

GONÇALVES, H. M. Jeremias e as refugiadas no Egito: uma desconstrução de Jr 44. Estudos Bíblicos, São Paulo, v. 34, n. 134, p. 136–146, 2021. Disponível em: https://revista.abib.org.br/EB/article/view/110. Acesso em: 27 nov. 2022.