Dilúvio na Bíblia: a violência humana e a nova ordem da natureza com justiça

Autores

Palavras-chave:

dilúvio, justiça, aliança, releitura, Noé

Resumo

O artigo apresenta o relato do dilúvio e suas releituras ao longo da Bíblia, como proposta de salvação da terra e da humanidade. Tanto no relato original quanto nas demais referências, há uma dimensão de resgate, segundo a qual a violência humana e o caos da natureza são superados pela justiça de nova ordem e nova aliança. Destaca-se o personagem Noé que, com sua família, representa o modelo de pessoa íntegra e justa. O objetivo do artigo é valorizar o aspecto positivo do dilúvio, em textos do Antigo e do Novo Testamento, com suas reinterpretações para restabelecer a ordem em momentos caóticos da história. Metodologicamente, a análise parte do relato do dilúvio no livro do Gênesis e apresenta, seletivamente, três textos do Antigo e três textos do Novo Testamento, em que a mesma proposta de ordem justa se restabelece. Propõe-se, com isso, superar leituras do dilúvio como punição, em vista de interpretações que valorizem a aliança de paz com respeito à natureza e com justiça universal

Biografia do Autor

Valmor da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil

Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo, Mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, Roma e Mestre em Teologia Bíblica pela Pontificia Universidade Gregoriana, Roma. Pós-Doutor em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia. Professor no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil. Assessor de cursos bíblicos populares.

Mariosan de Sousa Marques, Instituto de Filosofia e Teologia de Goiás, Goiânia, Brasil

Doutor em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Mestre em exegese bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, Roma. Professor no Instituto de Filosofia e Teologia de Goiás, Goiânia, Brasil.

Lenilson Oliveira Paula Silva

Licenciado em Química pelo Instituto Federal de Goiás, Bacharel em Filosofia pelo Instituto Santa Cruz e graduando de Teologia pela PUC Goiás. 

Referências

ADRIANO FILHO, José. Peregrinos neste mundo. São Bernardo do Campo; São Paulo: Metodista; Loyola, 2001.

ALONSO SCHÖKEL, Luís; CARNITI, Cecília. Salmos I: salmos 1-72. São Paulo: Paulus, 1996.

ALTER, Robert. Genesis. Translation and Commentary. New York: W. W. Norton & Company, 1996.

AMZALLAG, Gérard Nissim. Beyond the Flood: The Original Meaning of Mabbûl in Biblical Hebrew. Ancient Near Eastern Studies, Leuven, v. 56, p. 289-310, 2019.

BARTH, Gerhard. A Primeira Epístola de Pedro. 3. ed. São Leopoldo: Sinodal, 1987.

BASEVI, Claudio. El Salmo 29: algunas observaciones filológicas sobre el texto hebreo y griego. Scripta Theologica, Navarra, v. 22, n. 1, p. 13-47, 1990.

BOURKE, Myles M. A Epístola aos Hebreus. In: BROWN, Raymond E.; FITZMYER, Joseph A.; MURPHY, Roland E. (Eds.). Novo Comentário Bíblico São Jerônimo: Novo Testamento e artigos sistemáticos. Santo André: Academia Cristã; São Paulo: Paulus, 2011. p. 689-729.

BOVATI, Pietro. Ristabilire la giustizia. Procedure, vocabulario, orientamenti. Roma: Pontificio Istituto Biblico, 1986.

CAMPBELL, Antony F.; O’BRIEN, Mark A. Sources of the Pentateuch. Texts, Introductions, Annotations. Minneapolis (USA): Fortress Press, 1993.

CASSUTO, U. A Commentary on the Book of Genesis. Part Two. From Noah to Abraham. Jerusalem: Varda Books, 1964.

DALTON, William J. Primeira Epístola de Pedro. In: BROWN, Raymond E.; FITZMYER, Joseph A.; MURPHY, Roland E. (Eds.). Novo Comentário Bíblico São Jerônimo: Novo Testamento e artigos sistemáticos. Santo André: Academia Cristã; São Paulo: Paulus, 2011. p. 655-665.

DAVIDSON, Richard M. The Genesis Flood Narrative: Crucial Issues in the Current Debate. Andrews University Seminary Studies, Berrien Springs, v. 42, n. 1, p. 49-77, 2004.

DE PURY, Albert; RÖMER, Thomas. O Pentateuco em Questão: Posição do Problema e breve histórico da pesquisa. In: DE PURY, Albert (Org.). O Pentateuco em questão: as origens e a composição dos cinco primeiros livros da Bíblia à luz das pesquisas recentes. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 1996. p. 15-85.

DRIVER, Samuel R. The Book of Genesis: with Introduction and notes. 4th ed. London: Mathuen, 1905.

EMERTON, John A. An Examination of Some Attempts to Defend the Unity of the Flood Narrative in Genesis. Part II. Vetus Testamentum, Leiden, v. 38, n. 1, p. 1-21, jan. 1988.

FERREIRA, Joel Antônio; MARQUES, Mariosan de Sousa. RUTE: como permitiam a sua presença na Bíblia? Interações, Belo Horizonte, v. 14, n. 25, p. 169-185, jan. 2019. Diponível em: https://url.gratis/1PRIu. Acesso em: 13 out. 2020.

LEWIS, Jack P. A Study of the Interpretation of Noah and the Flood in Jewish and Christian Litera-ture. Leiden: E. J. Brill, 1978.

MARQUES, Mariosan de Sousa. A Tomada de Jerusalém por Nabucodonosor II: entre história e interpretação nasce o “resto de Israel”. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA. 4., 2018, Jataí. Anais [...]. Jataí: Universidade Federal de Goiás, 2018. Disponível em: https://url.gratis/p6quox. Acesso em: 1 ago. 2021.

MARQUES, Mariosan de Sousa. Estudo exegético teológico do dilúvio em Gn 6-9: relato sacerdotal com acréscimos tardios. 2021. Tese (Doutorado em Ciências da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2021. Escola de Formação de Professores e Humanidades, 2021.Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/bitstream/tede/4709/2/Mariosan%20de%20Sousa%20Marques.pdf. Acesso em 14 nov. 2021.

MARQUES, Mariosan de Sousa. Relendo Gn 1,28 em seu Contexto: a Questão Ecológia e a Des-brutalização das Relações. Paralellus, Recife, v. 7, n. 15, p. 357-371, maio/ago. 2016. Disponível em: https://url.gratis/qG0MP0. Acesso em 1 ago. 2021.

MCEVENUE, Sean E. The narrative style of the Priestly Writer. Rome: Biblical Institute Press, 1971.

NEYREY, Jerome H. Segunda Epístola de Pedro. In: BROWN, Raymond E.; FITZMYER, Joseph A.; MURPHY, Roland E. (Eds.). Novo Comentário Bíblico São Jerônimo: Novo Testamento e artigos sistemáticos. Santo André: Academia Cristã; São Paulo: Paulus, 2011. p. 875-884.

PEREIRA, Ney Brasil. Sirácida ou Eclesiástico: a sabedoria de Jesus, filho de Sirac. São Leopoldo; São Bernardo do Campo; Petrópolis: Sinodal; Metodista; Vozes, 1992.

RAVASI, Gianfranco. Il Livro dei Salmi. Commento e Attualizzazzione. Volume 1° (1-50). Bologna: Edizioni Dehoniane, 1985.

RENDTORFF, Rolf. Das Überlieferungsgeschichtliche Problem des Pentateuch. Berlin: de Gruyter, 1977.

SARNA, Nahum M. The JPS Torah Commentary: Genesis. Philadelphia: The Jewish Publication Society, 1989.

SKA, J. L. Antigo Testamento: 2: temas e leituras. Petrópolis: Vozes, 2018.

SKA, J. L. Introdução à leitura do Pentateuco. Chaves para a interpretação dos cinco primeiros livros da Bíblia. São Paulo: Loyola, 2003.

SKA, J. L. O Canteiro do Pentateuco: problemas de composição e de interpretação, aspectos literários e teológicos. São Paulo: Paulinas, 2016.

SPEISER, E. A. Genesis: a new translation with introduction and commentary. Garden City, New York: Doubleday & Company, 1987.

STREETT, Daniel R. As it was in the Days of Noah: The Prophets´ Typological Interpretation of No-ah´s Flood. Criswell Theological Review, Dallas, v. 5, n. 1, p. 33-51, 2007.

VAN SETERS, John. Prologue to History: the Yahwist as historian in Genesis. Louisville: John Knox Press, 1992. Disponível em: https://url.gratis/Yyn46. Acesso em: 5 mar. 2019.

VITÓRIO, Jaldemir. “Com amor eterno, tenho misericórdia de ti” (Is 54,8). O Deus Goel: Teologia da misericórdia no Dêutero-Isaías. Studium, Várzea Grande, v. 2, n. 2, p. 11-27, 2016.

VON RAD, Gerhard. Die Priesterschrift im Hexateuch literarisch untersucht und theologisch gewertet. Beiträge zur Wissenschaft vom alten und neuen Testament, Stuttgart, v. 4, n. 13, 1934.

Downloads

Publicado

28/12/2021

Como Citar

DA SILVA, V.; MARQUES, M. de S. .; SILVA, L. O. P. . Dilúvio na Bíblia: a violência humana e a nova ordem da natureza com justiça. Estudos Bíblicos, São Paulo, v. 37, n. 144, p. 365–376, 2021. Disponível em: https://revista.abib.org.br/EB/article/view/223. Acesso em: 17 ago. 2022.