A teologia do puro e do impuro como representação de controle social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54260/eb.v37i144.309

Palavras-chave:

puro, impuro, controle social, pós-exílio, judaísmo

Resumo

Operíodo denominado de pós-exílio produzirá uma compreensão diferente a respeito do que deveria ser considerado puro e impuro. Aqueles que retornaram do exílio da Babilônia, com o objetivo de intensificar o exercício do poder político e econômico, reorganizaram os conceitos de puro e impuro como uma representação de controle social. Nesse sentido, o discurso religioso se torna uma forma de poder, capaz de reorganizar o espaço social de modo que os puros possam ser equipados aos que estão no centro e os impuros aos que estão na periferia, termos utilizados para explicar a dinâmica social que se cria ao redor dos conceitos de santidade e impureza.

Biografia do Autor

Mariana Eugenio Schietti, Faculdade Teológica Sul Americana, Londrina, Brasil

Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Doutoranda em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Tutora na Faculdade Teológica Sul Americana, Londrina, Brasil..

Luiz Alexandre Solano Rossi, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Brasil

Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo e Mestre em Teologia pelo Instituto Superior Evangélico de Estudios Teológicos, Argentina. Pós-doutor em História Antiga pela Universidade Estadual de Campinas e em Teologia pelo Fuller Theological Seminary. Professor do Programa de Pós-Graduação em Teologia da Pontifícia Universidade Católica, Curitiba, Brasil, e no Centro Universitário internacional, Curitiba, Brasil.

Referências

BÍBLIA Hebraica Stuttgartensia. 5. ed. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft; Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1990

BORG, Marcus J. Conflict, holiness, and politics in the teachings of Jesus. New York: E. Mellen, 1984.

CARDOSO, Nancy. Nenhuma riqueza é inocente. Exercícios com redes de corrupção שָׁחַת. Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana, São Bernardo do Campo, v. 78, n. 2, p. 5-18, 2018.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. São Paulo: Editora Perspectiva, 1966.

FOUCALT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes, 1987.

GALLAZZI, A. A Teocracia Sadocita: sua história e ideologia. Macapá: Biblioteca de Estudos Bíbli-cos, 2002.

KESSLER, Rainer. História social do antigo Israel. São Paulo: Paulinas, 2009.

KIRK, J. Andrew. O que é missão? Londrina: Descoberta, 2006.

WESTERMANN, Claus. JENNI, Ernst. Theological Lexicon of the Old Testament. North Shore: Hen-drickson Pub, 1997.

LIVERANI, Mario. Más allá de la Biblia. Historia Antigua de Israel. Barcelona: Crítica, 2005.

MARIANNO, Lília Dias. Impureza: Sexualidade e saúde pública no Judaísmo do período persa. Revista Vértices, São Paulo, n. 11, p. 110-130, 2011.

NOVA Bíblia Pastoral. São Paulo: Paulus, 2014.

PAGOLA, José Antonio. Jesus: aproximação histórica. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

PEREIRA, Vinicius Vieira. A produção da relação centro e periferia no pensamento econômico: das teses marxistas do imperialismo capitalista às teorias da dependência. 2015. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

PIXLEY, Jorge. A história de Israel a partir dos pobres. Petrópolis: Vozes, 1990.

RODRIGUEZ, Octavio. Teoria do subdesenvolvimento da Cepal. Rio de Janeiro: Forense Universitá-ria, 1981.

ROSSI, Luiz Alexandre Solano. Vocação para os pequeninos: do centro para a periferia. Leitura de Isaías 6,1-13. Grande Sinal, Petrópolis, v. 69, n. 4, p. 401-413, 2015.

SCARDELAI, Donizete. O escriba Esdras e o Judaísmo. São Paulo: Paulus Editora 2012. E-book Kindle.

STRONG, James. Dicionário Bíblico Strong. Léxico Hebraico, Aramaico e Grego de Strong. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2002.

TEBES, Juan Manoel. Centro y periferia en el mundo antiguo. El Negev y sus interacciones con Egip-to, Asiria, y el Levante en la Edad del Hierro (1200-586 a.C.). 2. ed. Buenos Aires: Society of Biblical Literature - Centro de Estudios de Historia del Antiguo Oriente, Universidad Católica Argentina, 2008.

WOLFF, Hans Walter. Antropologia do Antigo Testamento. São Paulo: Hagnos, 2007.

ZABATIERO, Júlio Paulo Tavares. Uma história cultural de Israel. São Paulo: Paulus, 2013.

Downloads

Publicado

28/12/2021

Como Citar

EUGENIO SCHIETTI, M.; ROSSI, L. A. S. A teologia do puro e do impuro como representação de controle social. Estudos Bíblicos, São Paulo, v. 37, n. 144, p. 276–288, 2021. DOI: 10.54260/eb.v37i144.309. Disponível em: https://revista.abib.org.br/EB/article/view/309. Acesso em: 17 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>